Retiro, Casa Rosada e um pequeno acidente

Escolhemos tomar o desayuno em um dos inúmeros cafés de Buenos Aires. Escolhemos o La Biela, um dos mais tradicionais cafés da cidade. Precisávamos de café quente com urgência, pois o dia estava nublado e a temperatura em torno de 12 graus. Porém o vento se encarregava de deixar a sensação de frio ainda maior.





Após um café com leche espresso e algumas medialunas, saímos do La Biela e seguimos pela Calle Juncal até a Avenida 9 de Julio, a avenida mais larga do mundo com seus 140 metros de um lado ao outro.

Fomos até a Plaza San Martin e seguimos para a Torre dos Ingleses, uma construção doada pelos britânicos na celebração do centenário da revolução de 1816.



No interior da torre funciona um pequeno centro de atenção aos turistas. O guia local nos contou a história da construção da torre e mostrou antigas fotos do local. Infelizmente o elevador que dá acesso ao campanário está com defeito e não foi possível o acesso ao local. O guia nos contou que, depois da Guerra das Malvinas, o monumento passou a ser chamado pelos argentinos de “Torre Monumental” em represália aos ingleses. Ainda assim a torre sofreu várias ataques de vândalos, inclusive um atentado a bomba. O interessante é que a estação de trem que fica em frente a torre também foi construída pelos ingleses. Mas como tem uma função essencial para a cidade, não sofreu nenhum atentado.

Seguimos em direção a Plaza San Martín, uma bela praça com uma ótima vista para a Torre dos Ingleses.





Ao lado da Plaza San Martin está situado o Círculo Militar, um belo edifício de estilo francês construído em 1925.

Em frente a Plaza San Martín começa a Calle Florida, o paraíso dos turistas em busca de compras de artigos de couros, sapatos, eletrônicos e outras cositas mas. A rua é fechada para o trânsito de veículos e é praticamente impossível caminhar 10 metros sem ser abordado por alguém oferecendo os “melhores preços em artigos de couro”. Se estivesse sozinho, teria passado pela calle sem muita demora. Mas como estava com a Grazi, entramos em várias galerias e lojas. Encontramos na Calle Florida uma loja da Zara, onde compramos algumas peças de roupas com preços muitos bons.

Na junção da Calle Florida com a Avenida Cordoba está localizado a Galerias Pacífico.

O edifício foi construído para abrigar um grande supermercado, mas por problemas econômicos nunca chegou a funcionar. Após algumas tentativas frustadas de implementar lojas comerciais no local, o imóvel foi reformado e inaugurado como uma galeria comercial. Ficamos admirados com o belo mural pintado no teto do shopping.



Continuamos caminhando até o final da Calle Florida e tomamos o rumo da região da Plaza de maio, onde também estão a Casa Rosada, a Catedral Metropolitana e a Casa de Cultura.




E estas foram as últimas fotos da câmera… em um descuido meu e da Grazi, a câmera sofreu uma pequeno acidente… caiu em frente a Casa Rosada e parou de funcionar! Como ainda estávamos próximos a Calle Florida, fomos pesquisar o preço de uma nova câmera digital do mesmo modelo. Os preços variavam entre 850 e 900 pesos. Lembramos que havia uma loja Sony Style dentro da Galerias Pacifico e fomos até lá. Os preços estavam semelhantes aos encontrados nas lojas da rua. Mostramos o estrago feito na câmera e o atendente nos indicou uma assistência técnica da Sony na própria Calle Florida. Fomos até lá e o técnico da loja diagnosticou que seria necessário a troca de todo o mecanismo das lentes e deu a facada: 490 pesos, algo em torno de 280 reais. Ainda sim, ficaria mais barato que comprar outra câmera. Autorizamos o reparo e retornaremos amanhã no final da tarde para buscá-la.

Resolvemos voltar para o apartamento pois já eram 17h30. Entramos em um táxi e seguimos em direção a Recoleta. A corrida foi extremamente barata: 5,70 pesos!! Acho que os táxis de Buenos Aires são os mais baratos do mundo!

Como sou louco por futebol, fomos até o bar Locos por el fútbol para ver se poderíamos assistir ao jogo do Boca e Fluminense, partida válida pela semifinal da Libertadores. O bar ainda estava fechado, mas o gerente nos atendeu e disse que não haviam mais mesas disponível. Tentamos conseguir uma mesa com o famoso “jeitinho brasileiro” e ele solicitou que retornássemos ao bar por volta das 20h, pois poderia haver alguma desistência. Retornamos no horário combinado e o gerente sequer nos atendeu. Saí do local praguejando e dizendo que torceria pelo Fluminense.

Fomos procurar outro local interessante para assistir o jogo, mas a praga que joguei retornou contra mim: um cisco entrou no meu olho esquerdo e não queria sair de forma alguma. Compramos um colírio e retornamos ao apartamento, onde tentei retirar o cisco do olho e não tive êxito.

Enquanto escrevia este texto, “secava” o Boca pela TV. O interessante é que o entusiasmo do narrador após o gol do Boca deu lugar a uma narração desanimadíssima após os gols do Fluminense. O cara deve ser o Galvão Bueno argentino. O cisco? Continua aqui no meu olho.

Amanhã faremos um roteiro pelas Avenidas 9 de Julio, de Mayo, Corrientes e arredores. E torcer para que o reparo da câmera fique pronto logo.

3 Responses to “Retiro, Casa Rosada e um pequeno acidente”

  1. Uraildes disse:

    Ótimo guia! Parece que fui quem foi. Já vi tudo.

  2. Camilla disse:

    Olá, Alexandre.
    Também sou belo horizontina, mas morando em Niterói.
    Eu e meu marido vamos para Buenos Aires na última semana de julho. “Acompanhei” a viagem de vocês com enorme empolgação. Estou escolhendo onde hospedar. Vi que vocês optaram por um apartamento. Por quê? Gostaram da experiência? Indicaria? Em termos de relação custo-benefício, o que acha? Estou olhando um hostel próximo ao Abasto, na região de Almagro. O que acha?
    Desde já agradeço pela oportunidade.
    Um grande abraço a vocês,
    Camilla.

  3. Alexandre disse:

    Olá Camilla!

    Espero que vocês gostem de Buenos Aires tanto quanto nós. Amamos a cidade!

    Você não disse quanto tempo ficarão na cidade, mas se for, no mínimo, uma semana, recomendo que aluguem um apartamento. Por alguns motivos:

    1) viver como os argentinos vivem. Eu gosto muito deste tipo de experiência, impossível em hotéis. Você faz compra em supermercados (preços mais baratos que do Brasil), deixa as suas coisas na apartamento sem se preocupar com alguém para revirá-las, enfim, fica mais à vontade que em hotéis.

    2) custo de hospedagem menor. Pagamos 453 dólares por 10 dias de aluguel, ou seja, pouco mais de 45 dólares por dia. Em todos os hotéis que consultamos as diárias começavam em 100 dólares para um quarto de casal.

    3) segurança. São prédios residencias, a maioria com porteiros e muito movimento de moradores.

    Falei em no mínimo 7 dias porque creio que não se alugam apartamento por períodos menores. A empresa BYT Argentina é bastante confiável e no site deles ( http://www.bytargentina.com ) vocês encontrarão vários apartamento em diversos bairros de Buenos Aires, inclusive em Abasto.

    Mas para ser sincero, não acho que a região de Abasto e Almagro seja um bom local para se hospedarem. Está muito distante dos lugares turísticos, todos situados entre Palermo, Recoleta, Centro e Puerto Madero. Se você olhar em um mapa ( http://mapa.buenosaires.gov.ar/sig/index.phtml ), verá que estão em linha reta e Abasto está distante desta reta. Mas se você resolver ficar em Abasto mesmo, há uma linha de metrô (ou subte, com dizem por lá) que vai até a região do Centro. Dá para usar durante o dia, mas à noite…

    Se for a primeira vez de vocês em Buenos Aires, recomendo a hospedagem na região da Recoleta e Barrio Norte, que está próxima a todos os lugares legais para visitar. Para se ter uma idéia, o valor mais caro que pagamos de táxi foi 17 pesos até o bairro de La Boca. Algo em torno de 10 reais, muito barato!!!!!

    Em relação ao processo para alugar o apartamento, é tudo bastante traquilo. Você escolhe o apartamento pelo site, verifica a disponibilidade e preenche o cadastro, que já te dá o valor referente ao aluguel. A partir daí, a empresa te manda e-mails para acertar tudo e combinar os próximos passos. Você leva, em dólares, os valores relativos ao aluguel e um depósito de garantia (que é devolvido a vocês no último dia). Tudo conduzido com muita atenção, cordialidade e profissionalismo.

    Se vocês quiserem, posso auxiliá-los a escolher bons apartamento no site da BYT Argentina.

    Se quiser mais dicas, estou a disposição!

    Um abraço!

    Alexandre

Trackbacks/Pingbacks

  1. Catedral Metropolitana, Cabildo, Avenida de Mayo, Congresso e Livraria El Ateneo « O que se faz - [...] refazer uma parte do roteiro para registrar as fotos dos locais que passamos após o acidente com a câmera…

Deixe uma resposta