Catedral Metropolitana, Cabildo, Avenida de Mayo, Congresso e Livraria El Ateneo

A nossa estratégia de conhecer Buenos Aires a pé nos trouxe alguns problemas. Além de um grande cansaço, a Grazi ganhou uma grande bolha de água no pé direito. Para tratar a bolha, ela estourou e retirou toda a pele do local. Pesquisando posteriormente na internet, descobriu que até poderia furar a bolha e retirar a água, mas nunca deveria remover a pele que servia como uma proteção para o pé.

Como o machucado a estava impedindo de caminhar direito e eu ainda estava me recuperando do mal-estar de ontem, decidimos tomar café no apartamento e sair somente na hora do almoço.

Decidimos refazer uma parte do roteiro para registrar as fotos dos locais que passamos após o acidente com a câmera fotográfica. Pegamos um táxi e fomos para a Plaza de Mayo. Nosso primeiro ponto de parada foi a Catedral Metropolitana.

O interior da catedral é extremamente imponente. Creio ser impossível entrar e não ficar maravilhado com tamanha beleza.






A catedral também abriga o mausoléu que contém, desde 1880, os restos repatriados do libertador José de San Martín, morto na França em 1850. Segundo o Idas e Vindas, o blog da Carla, o mausoléu fica em anexo da catedral, pois o libertador era ateu e não poderia ser enterrado em solo sagrado.

O chão da catedral é formado por lindos mosaicos.

Saímos da catedral e fomos para outro edifício da praça: o Cabildo, que foi o QG do conselho municipal e onde os revolucionários deram os primeiros passos rumo à independência da Argentina. No edifício funciona ou museu com vários objetos da época, incluindo uma prensa tipográfica.

Saímos do museu e fomos caminhar pela Avenida de Mayo, com seus belos edifícios com arquitetura francesa.




Caminhamos alguns quarteirões e chegamos ao Café Tortoni, o mais famoso e tradicional de Buenos Aires. O local estava lotado de turistas, a maioria brasileiros, e tivemos que aguardar um pouco para entrar e tomar um chocolate com churros.






Após a pausa no Tortoni, continuamos nossa caminhada na Avenida de Mayo em direção ao Congresso Nacional.

E, enfim, chgamos ao destino final da nossa caminhada: o Congresso.




Cansados da caminhada, pegamos um táxi para a Avenida Santa Fé e chegamos na livraria El Ateneo.

A El Ateneo funciona no local onde era um antigo teatro, que foi totalmente reformado. É a maior livraria da América Latina e vale a visita pois é um lugar impressionante.




Para fechar a tarde, retornamos para a Recoleta e fizemos uma pausa no Freddo. O sorvete de dulce de leche é sensacional!


Retornamos ao apartamento para recuperarmos as energias e saímos para jantar no Sucre Restaurant. O Sucre está localizado em Belgrano, um bairro residencial e um pouco distante da Recoleta. Apesar da distância, o táxi ficou em apenas 15 pesos!!

O restaurante estava lotado de brasileiros e como tinhámos reserva, fomos direto para a mesa.



Pedi logo de cara uma Liberty, a única cerveja sem álcool que encontrei por aqui. Apesar de única, é muito melhor que todas que existem no Brasil. A Grazi escolheu um drink de menta.

Após a comilança do dia, dispensamos a entrada e partimos para os pratos principais. Eu pedi um ojo de bife e a Grazi foi de Risotto azafranado con ossobuco. Ambos estavam deliciosos. Para sobremesa, chocolate volcano. E o melhor de tudo: comida e bebida de ótima qualidade por apenas 167 pesos, o que dá algo em torno de 90 reais para duas pessoas!! É por isso que os brasileiros estão invadindo Buenos Aires!

17 Responses to “Catedral Metropolitana, Cabildo, Avenida de Mayo, Congresso e Livraria El Ateneo”

  1. Sylvia Lemos disse:

    Está mui lindo este fotoblog !! Belíssimas fotos !
    O Sucre é mesmo demais .. lindo, comida excelente e meio barulhento , mas no almoço é super tranquilo .
    Se quiserem uma torta maravilhosa , passem no Como em Casa , na RioBamba quase Juncal :))))

  2. Uraildes disse:

    Boas dicas. Conciso e ótimas fotos.

  3. Debora disse:

    A sorveteir Freddo é tudo de bom

  4. Carla disse:

    Alexandre, brigadinha pelo link!!! E, olha, apesar das bolhas, a estratégia de conhecer Buenos Aires a pé é boa – é só ir com calma e caprichar nos sapatos confortáveis… Adorei as suas fotos da Ateneo Grand Splendid – minha livraria favorita em toda a cidade… 😉

  5. Emília disse:

    Oi, Alexandre! As fotos estão excelentes…Quanto ao Freddo, o meu favorito é o frutilla con crema :-)
    Melhoras para a Grazi…eu também voltei com a sola do meu pé doendo bastante, só passou depois de uns dias.

  6. Alexandre disse:

    Oi Emília! Obrigado pelo elogio!

    Em relação ao Freddo, ainda estamos descobrindo os sabores. A cada vez um sabor diferente! Vou experimentar o frutilla com crema!!

    Um abraço!

  7. Alexandre disse:

    Uraildes, muito obrigado! Continue a acompanhar a viagem, pois ainda falta alguns locais importantes!

    Um abraço!

  8. Alexandre disse:

    Débora, o sorvete do Freddo é viciante!!!!

  9. Alexandre disse:

    Oi Carla! Eu é que agradeço, pois peguei muitas dicas lá no Idas e Vindas! Parabéns pelo blog!

    Em relação a Ateneo, dá vontade de não sair de lá, não é mesmo? Maravilhoso!

    Um abraço!

  10. Alexandre disse:

    Olá Sylvia! Obrigado pelo elogio!

    Gostei bastante do Sucre, mas de fato estava muito cheio e barulhento. Mas nada que nos atrapalhasse!

    Um abraço!

  11. Graziela disse:

    Emília,
    obrigada! Aqui em Buenos Aires o negócio é andar mesmo… até que vim preparada, mas não escapei das bolhas. Meu pé já está bem melhor. Abraços!

  12. LICIR disse:

    ADOREI TUDO .
    POR FAVOR ESTOU INDO DIA 7/7/2008 E QUERIA DICAS PARA COMPRAR ROUPAS DE COURO, SEI QUE LÁ TEM DE MONTE, MAS QUERO UM CASACO AZUL MARINHO.
    ROUPAS GAP PARA MEUS FILHOS.
    ABRAÇOS.
    LICIR

  13. Alexandre disse:

    Licir,

    nas minhas férias em Buenos Aires não comprei muitas roupas, embora os preços estejam mais baixos que no Brasil.

    Você encontrará roupas de couro na famosa Calle Florida, no centro da cidade. Chegando lá você será abordado por dezenas de pessoas distribuindo panfletos e oferecendo os tipos de roupas que está procurando. Não sei se o preço e a qualidade compensam, mas existem muitas lojas de roupas de couro na Calle Florida.

    Comprei roupas nas lojas da Zara (tem uma também na Calle Florida) e no bairro de Palermo, onde existem várias lojas em promoção de marcas como Nike, Levi´s, Puma, Diesel, etc.

    Um abraço!

  14. Tatiane disse:

    Oi Alexandre e Graziela, tudo bem? Encontrei o link do blog de vocês no google, desculpem a minha intromissão!

    Eu e meu namorado vamos para Buenos Aires em agosto e também vimos as dicas do Ricardo Freire sobre a Byt Argentina. Ficamos muito interessados, inclusive porque é muito bom.
    Por isso gostaria de saber se ocorreu tudo bem na entrega das chaves e se o apto era o que mostrava no site.

    Abs,
    Tatiane

  15. Alexandre disse:

    Oi Tatiane! Não há porque pedir desculpas, afinal o nosso blog serve também para auxiliar outros brasileiros que desejam ir a Buenos Aires.

    Eu ainda não coloquei o texto final da viagem, contando sobre a entrega das chaves do apto e tudo mais. Acho que até o final de semana eu conseguirei colocar a “casa em ordem”!

    Posso dizer que o apartamento era melhor do que esperávamos!! Haviam móveis novos que não estavam nas fotos do site da Byt. O apartamento estava limpo e preparado para a nossa chegada.

    A entrega das chaves ocorreu perfeitamente! O funcionário da Byt foi muito cordial e tranquilo, nos perguntou sobre nossa estadia em Buenos Aires, conferiu o apartamento, nos devolveu os dólares do depósito de garantia, enfim, foi tudo 100% correto!

    Recomendo muito alugar um apartamento com a Byt! Na nossa próxima viagem a Buenos Aires, alugaremos outro apartamento com eles!

    Se quiser mais dicas ou ainda tiver alguma dúvida, pode entrar em contato novamente!

    Um abraço!

  16. Tatiane disse:

    Oi Alexandre, obrigada pelo retorno.

    Vocês fizeram reserva com depósito bancário ou cartão de crédito? Vi que ficaram na Recoleta, né? Estamos pensando em ficar no Centro, por conta da proximidade com as lojas e Puerto Madero. Mais ou menos entre a Córdoba, Av. Corrientes e Florida. Você considera uma boa opção?

    Abs,

    Tatiane

  17. Alexandre disse:

    Tatiane,

    a reserva foi feita com cartão de crédito. Na época eram 30 dólares, me parece que agora aumentaram para 40 dólares.

    Pra ser sincero, não acho o Centro boa opção para ficar, pois me parece muito barulhento e inseguro à noite. A Recoleta está exatamente no meio de todos os destinos turísticos. O mais distante é o bairro de La Boca e nós gastamos de táxi até lá apenas 17 pesos, cerca de 10 reais!! Dica: vá de táxi para todos os lugares, é muito barato. Mas leve sempre dinheiro trocado (notas de 20 pesos, no máximo), pois já li relatos de pessoas que tiveram problemas com troco em notas falsas.

    Se optar mesmo pelo Centro, já li lá no blog do Riq que a melhor opção é proximo à Plaza San Martin. Mas o que todos me aconselharam é que, sendo a primeira vez em Buenos Aires, a Recoleta é a melhor opção.

    Se vocês alugarem um apartamento com a Byt Argentina, fica também a dica de que eles tem um escritório no saguão do Aeroporto de Ezeiza. Quando chegamos, a fila para trocar os reais por pesos no Banco de La Nacion do aeroporto estava enorme e perdemos uns 30 minutos por lá. Ficamos receosos de que o funcionário da Byt não nos aguardasse e ligamos para o apartamento. Se soubessemos que havia o escritório no saguão, bastaria ir até lá para avisar!

    Aproveitando o assunto “câmbio”, troque os reais por pesos no Banco de La Nacion do aeroporto, que fica após a área de desembarque internacional. Dentro da área de desembarque existem casas de câmbio, mas todas com péssimas taxas! Se precisar trocar novamente, vá ao Banco Meridien, que fica no Centro, esquina de Calle Florida com Peron. Este banco também tem taxas excelentes! Ah, para “cambiar” os seus reais é necessário apresentar identidade ou passaporte e o documento de imigração (não perca este documento, caso contrário terá que pagar 30 dólares para sair da Argentina!)

    Puxa, acho que escrevi demais… rsrs… mas se precisar de mais alguma coisa, não deixe de entrar em contato.

    Um abraço!

Deixe uma resposta