Lisboa, ora pois!

Ao planejar a nossa viagem de férias, optamos por iniciar o tour europeu por Lisboa devido a alguns motivos. Como viajamos pela companhia aérea TAP, Lisboa é o destino inicial desta empresa na rota entre América do Sul e a Europa. E após 9 horas de viagem, sentados desconfortavelmente na classe econômica, não estávamos dispostos a enfrentar a fila no setor de imigração e encarar novamente mais algumas horas de avião até outra cidade. Além disso, pegar um vôo de conexão aumentaria muito as chances de ocorrer o extravio das nossas bagagens, algo corriqueiro no mundo das companhia aéreas.

Chegamos em Lisboa no início da manhã. Após vários minutos na fila da imigração, recebemos o carimbo nos passaportes, pegamos as bagagens e fomos procurar um táxi para nos levar ao hotel. No saguão do  aeroporto, encontramos um quiosque de informações turísticas onde compramos o Lisboa Card, que dá direito a descontos em vários museus e monumentos da cidade, assim como acesso gratuito e ilimitado ao transporte público. Existem três versões do Lisboa Card: para um dia (16 Euros), dois dias (27 Euros) e três dias (33 Euros). Como ficaríamos em Lisboa por cinco dias, optamos pelos cartões com validade de três dias.

Pegamos um táxi e fomos para o hotel que reservamos: o Borges Hotel. Segundo o Ricardo Freire, do Viaje na Viagem, o Borges é um hotel simples, mas com excelente localização. No Tripadvisor encontramos boas avaliações, ressaltando a localização, mas com a ressalva de ser um imóvel antigo. Sendo assim, já imaginávamos que não seria um hotel luxuoso, mas que serviria aos nosos propósitos para este trecho da viagem.

Chegamos ao hotel e constatamos que os relatos estavam corretos. A localização é excelente! O Borges fica no bairro Chiado, em frente a uma estação do metrô, na divisa com bairro Alto, famoso pela agitação noturna, e próximo a vários locais turísticos. Ao lado do hotel fica o café A Brasileira, o mais famoso da cidade.

Mas os relatos sobre outras características do hotel também estavam certos: o edifício é antigo e bastante simples, com um atendimento correto, mas pouco cortês. O quarto era amplo, com vista para a rua, banheiro limpo, ar condicionado, uma tv minúscula e, à princípio, sem cheiro de mofo. Para usar o cofre do quarto, tivemos que pagar uma diária de 1,50 Euro, pois era uma questão de segurança com nossos passaportes, dinheiro, notebook, etc. Mas para ter acesso a internet wifi, me neguei a desembolsar 8 Euros por 24 horas de acesso ininterrupto! Um absurdo!

Borges Hotel

Tiramos algumas roupas das malas, tomamos um banho e saímos para, finalmente, conhecer Lisboa! Fizemos um rápido reconhecimento na área de hotel e  fomos em direção a região da Baixa. Chegamos na Praça dos Restauradores, que foi construída em 1870 para celebrar a restauração da monarquia portuguesa em 1640. Ao redor da praça existem vários restaurantes, cafés e lojas. Como a fome já estava apertando, optamos por um dos restaurantes no entorno da praça, o que não se revelou uma boa escolha. A comida e o atendimento foram apenas razoáveis.

Praca dos Restauradores

Após o almoço, caminhamos até o final do praça e passamos em frente a Estação do Rossio, uma antiga estação de trem que abriga uma das estações do metro de Lisboa e é ponto de partida e chegada dos trens que vão até a cidade de Sintra.

Estação do Rossio

Próximo a Estação do Rossio está o Elevador da Glória, o mais famoso e frequentado funicular, que liga a região dos Restauradores ao Bairro Alto. Construído em 1885, era movido a um sistema de vapor, mas em 1915 tornou-se elétrico.

Elevador da Glória

Embarcamos no funicular, que embora antigo, é muito bem conservado. Se não estivéssemos cercados de turistas com celulares, câmeras fotográficas e filmadoras de última geração, seria praticamente uma viagem na tempo!  Desembarcamos em uma agradável praça ao lado do Miradodouro de São Pedro de Alcântara. De lá se tem uma bela perpectiva da região leste da cidade, com destaque para o Castelo de São Jorge.

Caminhamos um pouco pelo Bairro Alto e, ao passar em frente ao Elevador de Santa Justa, decidimos conhecer outros lugares interessantes na região da Baixa. Na verdade, o que pesou mesmo foi a vontade de utilizar o elevador inaugurado em 1902, que também é conhecido como Elevador do Carmo, pois fica ao lado do Largo do Carmo.

Elevador de Santa Justa

Chegamos novamente na Baixa e fomos até a Sé Catedral, que foi construída sobre uma mesquita muçulmana logo depois que Dom Afonso Henrique tomou Lisboa dos Mouros em 1147. O interior da catedral é bastante escuro e o melhor horário para visita é no final da tarde, quando a luz dos sol penetra na enorme rosácea da fachada.

Nosso próximo destino era a Praça do Comércio. Entramos na Rua Augusta, o mais longo e largo calçadão da cidade e seguimos em direção ao Arco do Triunfo. Este arco foi erguido em comemoração a recuperação de Lisboa após o grande terremoto de 1755 que destruiu grande parte da cidade.

Do outro lado do Arco está a Praça do Comércio. Esta ampla praça, também conhecida como Terreiro do Paço, fica de frente para o Rio Tejo e possui 36.000m². No centro da praça há uma estátua de Dom José I, Rei de Portugal de 1750 a 1777.

Ficamos durante algum tempo caminhando pela praça e observando o Tejo. Ao olhar as horas, tomamos um susto: já eram 9h da noite! Nos esquecemos que durante o verão europeu, o sol se põe bem tarde, quase às 10h. Só então nos demos conta de que a fome nos rondava novamente, além do grande cansaço. Fizemos um lanche rápido e retornarmos ao hotel.

5 Responses to “Lisboa, ora pois!”

  1. Adorei seu post!! As fotos estão magníficas!
    Realmente a fila da imigração é terrível… Dica: o vôo que chega aqui em terras lusas de manhã têm mais fila na imigração do que os que chegam depois do almoço. A maioria das viagens dos países de língua oficial portuguesa chegam antes das 13h 😉
    E a tua descrição de hotel é mais ou menos a mesma coisa em todos os hotéis da região da baixa-chiado (velho, com umidade, carpetes precisando de limpeza urgente, etc). Te aconselho a ficar num hotel qualquer na região da Expo: é tudo novinho e tem metro, comboio e ônibus pra tudo quanto é lado.

  2. ana disse:

    Incrivel suas dicas!vi todos os post sobre Lisboa,maravilhoso!Valeu pelas informações,dicas e fotos!!

  3. luffilc disse:

    Adorei seu post sobre a cidade que me viu nascer. Tenho uma coisa para lhe dizer, ontem passei no hotel onde vc ficou hospedada e foi totalmente remodelado e virou hotel design tá lindo. Agora tem um motivo mais para voltar ahaha

Trackbacks/Pingbacks

  1. Dicas de viagem para Lisboa « O que se faz - [...] Ficamos hospedados no Hotel Borges, muito bem localizado na agradável Rua Garrett. Ao lado do hotel está um dos…

Deixe uma resposta