Amsterdam além dos estereótipos

Amsterdam é uma cidade frequentemente associada a sexo e drogas. É verdade que a tolerância dos holandeses em relação à prostituição e ao consumo de drogas ajuda a manter este rótulo no imaginário da maioria das pessoas, mas há também uma tendência a criarmos um estereótipo dos lugares que não conhecemos. Afinal, quantas vezes já ouvimos que o Brasil é o país do carnaval? Muitas vezes é preciso explicar ao gringo desavisado que, ao chegar a este país tropical, ele não encontrará uma escola de samba a cada esquina, mas existem outras atrações à disposição dele. Pois resumir uma viagem à Amsterdam em busca de coffee shops e zonas de prostituição é deixar de lado uma cidade com uma arquitetura peculiar e seus belos canais, parques e museus.

Amsterdam

A peculiar arquitetura holandesa

E, para ficar logo livre dos clichês, o melhor é começar a conhecer a cidade por eles. A Red Ligth District, a maior e mais conhecida zona de prostituição de Amsterdam, está localizada na parte mais antiga da cidade e teve origem no século XIV, período em que os portos holandeses recebiam um grande fluxo de marinheiros. A região é formada por ruas estreitas onde mulheres de várias nacionalidades desfilam de roupas íntimas em grandes janelas, geralmente iluminadas por luzes vermelhas, e oferecem os seus serviços. Como a prostituição é legalizada na Holanda desde o ano 2000, as profissionais do sexo pagam impostos e têm direitos trabalhistas como qualquer outra categoria profissional.

Red Ligth District
Prostitutas na Red Ligth District (crédito da foto: www.dicaseturismo.com.br)

O comércio na Red Ligth District está bastante associado ao sexo e incluem sex-shops, cinemas, casas com shows de strip-tease e sexo explícito e até um Museu do Sexo. E, ao contrário do que se possa imaginar, o local não está associado à marginalidade, com traficantes, ladrões e cafetões à espreita em cada esquina. Há um patrulhamento ostensivo da polícia para garantir a segurança de quem está passeando, trabalhando ou procurando diversão por lá. Talvez seja por isso que a Red Ligth District é atualmente uma atração turística frequentada por todo o tipo de pessoas. É comum ver a presença de casais e famílias, até mesmo com crianças, caminhando tranquilamente pelas ruas da região. Algumas ficam alheias ao que acontece nas janelas, outras observam tudo com a maior naturalidade. Mas apesar da regularização da profissão e do policiamento constante, o tráfico de mulheres e a prostituição forçada ainda persistem. Isso levou a uma recente reação das autoridades locais, que tomaram medidas para reduzir a quantidade de imóveis destinados a abrigar as prostitutas. Aos poucos alguns dos antigos prostíbulos estão dando lugar a lojas de grife e ateliês de jovens artistas plásticos e estilistas.

O fato dos holandeses tolerarem o consumo de substâncias como a maconha e o haxixe, cria uma falsa impressão de que o uso de drogas é totalmente liberado no país. Mas comprar ou utilizar essas substâncias em locais públicos é expressamente proibido e passível de punições com o mesmo rigor dos países menos liberais! Os locais permitidos para venda e consumo de drogas são chamados de coffee shops, que também comercializam comidas e bebidas. Alguns coffee shops mantêm as janelas sempre fechadas, tornando os ambientes bastante escuros e, obviamente, enfumaçados. Mas existem outros que possuem uma área aberta e poderiam ser identificados como bares comuns se não fosse expressão “coffe shop” exibida nas placas. Curiosamente, a venda de bebidas alcoólicas é proibida em todos os coffee shops.

Coffee shop

Um tradicional coffee shop

Um dos ícones de Amsterdam são os seus famosos canais. Construídos a partir do século XVII, os 165 canais que cortam a cidade são uma parte importante da vida dos holandeses, pois funcionam como vias de transporte. É bastante comum ver barcos atracados ao longo dos canais como se fossem carros estacionados nas ruas. E nos fins de semana, especialmente nos dias de verão ensolarados, é possível ver turmas de amigos fazendo verdadeiras festas a bordo dos seus barcos.

Os canais de Amsterdam

Os canais de Amsterdam

E navegar pelos canais é a melhor maneira de conhecê-los. Existem empresas, como a Holland International, que realizam tours em barcos com o acompanhamento de guias turísticos que apresentam alguns dos locais mais interessantes da cidade. Durante estes tours é possível ver também várias casas flutuantes, barcos adaptados que servem como residências e que possuem ligação com as redes elétrica e de água, esgoto e gás.

Tour pelos canais de Amsterdam

Tour de barco pelos canais

Outra interessante maneira de conhecer Amsterdam é utilizar um dos meios de transporte favorito dos holandeses: a bicicleta. Assim como os canais e as pontes, elas dominam a paisagem local, sendo quase impossível caminhar pelas ruas sem encontrar uma das 700.000 bicicletas existentes na cidade. A prática disseminada do ciclismo é justificada pela topografia bastante plana e muitos quilômetros de ciclovias sinalizadas. Algumas empresas, como a Yellow Bike, oferecem o aluguel de bicicletas por dia ou até mesmo um tour guiado de 2 horas pedalando pelos principais pontos turísticos.

Bicicletas em Amsterdam

Bicicletas, bicicletas e mais bicicletas

Um bom local para aproveitar o passeio de bicicleta é o Vondelpark, o maior e mais conhecido parque de Amsterdam. Criado em 1865, o parque possui uma área de 470.000 m2 e recebe cerca de 10 milhões de visitantes ao ano. Além de uma grande área verde, lagos, cafés e bares, o Vondelpark conta com outras atrações. É o caso do Filmmuseum, museu instalado em um belo prédio e que possui um grande acervo de filmes clássicos e históricos, e do Openlucht Theater, um teatro a céu aberto que recebe espetáculos durante todo o ano.

Vondelpark

Vondelpark

Próxima ao Vondelpark está a Museumplein, praça popular onde ficam alguns dos museus mais importantes da cidade. Um deles é o Rijksmuseum, fundado em Haia em 1800 e transferido para um imponente prédio em Amsterdam no ano de 1855. Considerado o maior museu do país, possui 260 salas e cerca de 5 mil pinturas de grandes artistas holandeses. A obra mais famosa da sua coleção é a Ronda Noturna, de Rembrandt. Em frente ao Rijksmuseum há uma escultura metálica que forma a expressão I Amsterdam, slogan utilizado em uma campanha de marketing com o objetivo de atrair mais turistas e que se tornou um ícone local.

I Amsterdam letters

I Amsterdam Letters

Outro importante museu situado na Museumplein é o Van Gogh Museum. Inaugurado em 1973, possui em sua coleção permanente 200 pinturas e 500 desenhos criados por Vincent Van Gogh. Entre elas, obras clássicas como quadros Auto-Retrato, Os comedores de batata, Retrato do Doutor Gachet e Os girassóis. O museu conta ainda com obras de outros artistas impressionistas contemporâneos de Van Gogh, como Monet, Manet, Cézanne e Gauguin.

Fachada do Van Gogh Museum

A fachada do Van Gogh Museum

Em Jordaan, um bairro tranquilo e agradável, está localizada a Casa de Anne Frank, local onde a menina judia e sua família viveram escondidas durante dois anos após a invasão alemã na Segunda Guerra Mundial. Durante este período Anne Frank registrou em seu diário a terrível experiência do confinamento. Após descobertos em seu esconderijo, eles foram enviados a um campo de concentração e apenas o pai de Anne sobreviveu à prisão. A casa foi transformada em um museu onde estão expostos, além do famoso diário, vários desenhos que a menina espalhava pelas paredes, móveis e objetos pessoais da família, e também fotografias e documentos da época.

A Casa de Anne Frank

A Casa de Anne Frank

Uma caminhada pelo centro histórico revela um pouco mais do passado da cidade. Um exemplo é a Munttoren, torre localizada na movimentada Praça Muntplein. Esta torre fazia parte do portão sul do antigo muro que protegia a cidade. Após um grande incêndio em 1618, apenas uma parte da construção permaneceu sem danos graves. A torre foi totalmente reconstruída em 1620 e no seu topo foram inseridos relógios e um carrilhão, instrumento composto por vários sinos, que toca melodias a cada quarto de hora do dia.

Munttoren

A Munttoren

A poucas quadras da Munttoren está o Mercado das Flores. Criado em 1860, funcionava quando os produtores de flores ancoravam seus barcos às margens do canal Singel. Atualmente existem quinze lojas flutuantes que oferecem uma grande variedade de flores. O mercado é uma abundância de cores e perfumes com flores a perder de vista. A grande atração são as tulipas de vários tamanhos e cores, mas é possível encontrar até mesmo as sementes da cannabis sativa, a planta utilizada para produção da maconha.

Mercado das Flores

O Mercado das Flores

Para finalizar o passeio em grande estilo, a melhor opção é ter um visão panorâmica da cidade. E nenhum lugar é melhor que o terraço da Openbare Bibliotheek, uma biblioteca pública localizada em um prédio de 7 andares com modernas instalações. Do último andar é possível ter uma vista magnífica de vários pontos turísticos e confirmar que Amsterdam é muito mais que apenas sexo e drogas.

Amsterdam

Amsterdam vista do topo da Openbare Bibliotheek

Matéria publicada em 16/08/11 no caderno Turismo do jornal Estado de Minas.

22 Responses to “Amsterdam além dos estereótipos”

  1. Marcie disse:

    Fantástico post, Alexandre. Momento Tommy mais do que merecido! 😉

  2. Excelente Alexandre,

    O Estado de Minas possui um colunista de primeira.

    Abraço e muitas Viagens!!!

    :-)

  3. Roberto disse:

    Parabéns, Alexandre. Adorei a matéria, as fotos e a cidade. Deu vontade de conhecer…

  4. Flora disse:

    Oi Alexandre,
    Parabéns pelo artigo. Gostei muito. A Holanda está na minha lista, mas quero ir na primavera, para curtir as tulipas. Um abração saudoso da ConVnVenção BH 2010.

    • Alexandre Costa disse:

      Oi Flora!

      Eu fiquei somente 3 dias em Amsterdam, durante o verão, mas foi o suficiente para ficar encantado. Imagino que na Primavera a cidade esteja ainda mais bela!

      Grande abraço e obrigado pelo comentário!

  5. Claudia Matoso disse:

    Parabéns novamente Alexandre! A matéria ficou ótima e as fotos estão lindas!

  6. Alexandre parabéns

    Post super completo e bem escrito.. Estive em Amsterdã por 11 horas numa conexao entre Cingapura e São Paulo.. Foi uma experiência curta mas muito interessante…
    Parabéns

    • Alexandre Costa disse:

      Oi Oscar! Amsterdam é realmente muito interessante. Espero retornar lá com mais tempo para explorar melhor a cidade.

      Obrigado pelo comentário!

      Grande abraço!

  7. Excelente matéria Alexandre. Muito completa. Dígna de bom recheio de páginas com muito conteúdo em um caderno de turismo.

  8. Camilla Kafino disse:

    Alexandre, que maravilha de post. Merecido reconhecimento a publicação dele no Jornal. Que venham muitos outros, sucesso querido e um beijo.

  9. Leticia disse:

    Alexandre
    Cheguei através do VNV e também faço coro com os outros trips:relato compacto, com tudo que interessa e explicadinho…vou voltar mais por aqui!Vc ganhou uma leitora!parabéns!

  10. Eu amo Amsterdam!!!
    Eu amo Leiden!!!!!
    Não porque more por cá, mas são cidades lindas e cheias de vida…
    Para tantas informações, ficastes quanto tempo por cá?? excelentes informações.
    Conhecemos todos esses lugares, mas como passamos lá tantas vezes que só nos lembramos apenas de fotografar e nada mais. Mas, para quem quiser conhecer essas tuas informações estão excelentes. Melhor não poderiam ser!!!
    Agora a Red Ligth District existe e foi legalizada aquém do ano 2000. E as meninas além de pagarem Imposto de Rendas, tem a obrigatoriedade de apresentar a carteira de saúde mensalmente…
    Nós sempre vamos mostrar a alguém que vem do Brasil e que quer ver como é, embora já as tenha visto em milhares de sites e blogs. Ver ao vivo e a cores é mais interessante.
    abs,

    • Alexandre Costa disse:

      Francy e Carlos, obrigado pelo comentário. Eu também adorei Amsterdam, onde ficamos por 5 dias. Pretendemos voltar em breve para aproveitar e conhecer melhor a cidade.

      Um abraço!

  11. Isabel O., Portugal disse:

    também gostei muito do post e guardei-o nos Favoritos, para uma próxima ida à cidade.
    Imagino que não tenha ido à Sinagoga Portuguesa. Eu tb não conheço mas uma amiga enviou-me este vídeo (é interessante ler o primeiro comentário, que dá alguns dados explicativos sobre a mesma)

    http://www.youtube.com/watch?v=H4IF8OmLOMw

    • Alexandre Costa disse:

      Isabel, obrigado pelo comentário. Não conheci esta sinagoga e achei o vídeo, assim como o relato do comentário, muito interessante. Quem sabe em uma próxima viagem à Amesterdam?

      Um abraço!

Trackbacks/Pingbacks

  1. Blogagem Coletiva: Meus 7 Links : O que se faz - [...] posts são mais prazerosos de escrever que outros. Foi o caso de Amsterdam além dos estereótipos, cujo texto e…

Deixe uma resposta